Tratamento Farmacodepência

O grande equívoco da maioria das pessoas quando se fala em vício é pensar que ele só ocorre com drogas ilícitas ou substâncias como álcool e nicotina. Longe de pensar que o remédio prescrito pelo seu médico pode ter efeitos tão devastadores quanto, mas isso é mais comum do que imaginamos. A propensão para o vício é maior para três classes de medicamentos: estimulantes, normalmente prescritos para pessoas com déficit de atenção; opióides, que servem para o tratamento de fortes dores; e tranquilizantes ou sedativos, utilizados para o tratamento de transtornos de sono ou de ansiedade.

Como ocorre o tratamento

O tratamento deve ser acompanhado por um profissional, na medida em que a súbita retirada dos medicamentos pode resultar em sérias complicações, como convulsões, por exemplo, podendo até por em risco a vida do paciente. Além disso, somente especialistas estão aptos a prescreverem medicação que corte os efeitos daquela ingerida pelo paciente de forma segura e sem riscos. Na Clínica LAV, nossos médicos estão aptos ao acompanhamento, e irão propor um processo de redução gradual do uso da substância, ao mesmo tempo em que o paciente é encaminhado à analise de outros fatores psicológicos e comportamentais que devem ser solucionados.

A abordagem comportamental para esses casos é feita de forma individualizada ou inserindo o paciente em terapias de grupo ou familiares. A técnica cognitiva-comportamental, em suas várias abordagens, é a mais indicada para o trabalho com estes dependentes. Com ela, o usuário é orientado a identificar e a corrigir problemas comportamentais e emocionais que levam ao uso da substância. Também é feito um trabalho de substituição da motivação interior, que leva o paciente a descobrir novas formas mais saudáveis de buscar a solução para os conflitos internos.

A família também é muito importante nesse processo, e deve ser envolvida no tratamento não só para resgatar os laços e auxiliar o dependente a retornar ao convívio em sociedade e a ser mais produtivo, como também para evitar qualquer processo de recaída.

farmacodependência

Sinais do vício em medicamentos

Quando os remédios prescritos são utilizados pelo tempo correto e na dose exata indicada pelo médico, não há problemas. O que pode ocorrer, no entanto, é o abuso nas doses dessas substâncias pelo próprio paciente ou até sua ingestão irregular por familiar que tenha acesso fácil à droga. Existem alguns comportamentos que indicam o vício em medicamentos:

  • Necessidade de prescrições frequentes, podendo até consultar mais de um médico para conseguir várias receitas;
  • Utilização de artifícios para conseguir novas prescrições, afirmando que perdeu a receita anterior, por exemplo;
  • Consumo do remédio em quantidade maior que a indicada;
  • Furto de receitas de outras pessoas e até falsificação desses documentos;
  • Busca pelos medicamentos para compra via internet, às vezes por meios ilícitos e de fontes duvidosas.

Se você se identifica com qualquer desses sintomas, está na hora de buscar tratamento.

Tratamento Farmacodepência

O grande equívoco da maioria das pessoas quando se fala em vício é pensar que ele só ocorre com drogas ilícitas ou substâncias como álcool e nicotina. Longe de pensar que o remédio prescrito pelo seu médico pode ter efeitos tão devastadores quanto, mas isso é mais comum do que imaginamos. A propensão para o vício é maior para três classes de medicamentos: estimulantes, normalmente prescritos para pessoas com déficit de atenção; opióides, que servem para o tratamento de fortes dores; e tranquilizantes ou sedativos, utilizados para o tratamento de transtornos de sono ou de ansiedade.

Sinais do vício em medicamentos

Quando os remédios prescritos são utilizados pelo tempo correto e na dose exata indicada pelo médico, não há problemas. O que pode ocorrer, no entanto, é o abuso nas doses dessas substâncias pelo próprio paciente ou até sua ingestão irregular por familiar que tenha acesso fácil à droga. Existem alguns comportamentos que indicam o vício em medicamentos:

  • Necessidade de prescrições frequentes, podendo até consultar mais de um médico para conseguir várias receitas;
  • Utilização de artifícios para conseguir novas prescrições, afirmando que perdeu a receita anterior, por exemplo;
  • Consumo do remédio em quantidade maior que a indicada;
  • Furto de receitas de outras pessoas e até falsificação desses documentos;
  • Busca pelos medicamentos para compra via internet, às vezes por meios ilícitos e de fontes duvidosas.

Se você se identifica com qualquer desses sintomas, está na hora de buscar tratamento.

Como ocorre o tratamento

O tratamento deve ser acompanhado por um profissional, na medida em que a súbita retirada dos medicamentos pode resultar em sérias complicações, como convulsões, por exemplo, podendo até por em risco a vida do paciente. Além disso, somente especialistas estão aptos a prescreverem medicação que corte os efeitos daquela ingerida pelo paciente de forma segura e sem riscos. Nas Clínicas Quality, nossos médicos estão aptos ao acompanhamento, e irão propor um processo de redução gradual do uso da substância, ao mesmo tempo em que o paciente é encaminhado à analise de outros fatores psicológicos e comportamentais que devem ser solucionados.

A abordagem comportamental para esses casos é feita de forma individualizada ou inserindo o paciente em terapias de grupo ou familiares. A técnica cognitiva-comportamental, em suas várias abordagens, é a mais indicada para o trabalho com estes dependentes. Com ela, o usuário é orientado a identificar e a corrigir problemas comportamentais e emocionais que levam ao uso da substância. Também é feito um trabalho de substituição da motivação interior, que leva o paciente a descobrir novas formas mais saudáveis de buscar a solução para os conflitos internos.

A família também é muito importante nesse processo, e deve ser envolvida no tratamento não só para resgatar os laços e auxiliar o dependente a retornar ao convívio em sociedade e a ser mais produtivo, como também para evitar qualquer processo de recaída.